Sintomas

O VIH/HIV, assim como outras doenças sexualmente transmitidas, não podem ser diagnosticadas através de sintomas, visto que frequentemente, e na maioria das vezes, elas não causam e/ou provocam quaiquer sintomas. Também muitos sintomas, os quais nem sempre se manifestam, são comuns em outras doenças tais como a tuberculose, o cancro e outras reações alérgicas.

A pessoa não deve esperar para sentir sintomas do VIH/HI para que possa assim confirmar a sua suspeita, sobre a possibiliade de estar infectada/o. Esta é uma forma incorrecta de o saber pelas seguintes razões:
- Você precisa procurar várias opcões de tratamento para o VIH/HIV, antes de alguma doença relacionada com a SIDA/AIDS possa-lhe complicar a sua saúde, e/ou diminuir os seus anos de vida;
- Você precisa de saber se é VIH/HIV positivo/a, antes que possa infectar alguém. Mesmo não sentindo nehum sintoma, não quer dizer que você não pode pode infectar outra pessoa.

Muitas vezes, algumas pessoas acreditam que tem o VIH/HIV, e por isso tornam-se obsecadas (extramamente preocupadas) sobre os sintomas, mesmo sem terem-se envolvido em qualquer situação de alto risco. Isto pode acontecer simplesmente porque se sentem culpados por terem se envolvido numa relação sexual e não conseguirem chegar a termos com a situação na qual se envolveram. Os motivos que levam as pessoas a se sentirem-se culpados pode estar relacionado com a identidade pessoal e a forma como eles próprios se identificam. Se a pessoa entra numa paranoia, em relação aos sintomas doVIH/HIV e continuar acreditando que tem o vírus, deve falar com um conselheiro de serviços sociais imediatamente. Especialmente, se esta situação começar a afectar a vida e suas necessidades diárias, tais como: trabalhar, manter a sua vida sexual sáudavel e manter uma boa relacção com a família e os amigos.

Sintomas Associados Com a Infecção Inicial do VIH/HIV

Muitas vezes, mas nem sempre, a pessoa que contraíu o vírus recentemente, sente sintomas ou reação parecidos com um resfriado ou gripe. Isto pode vir na forma de febres, glândulas inchadas (ínguas), arepios de frio, transpiração (suores) noturna e/ou reacções alérgicas por alguns dias. É muito importante saber que estes sintomas podem ser atribuidos ou relacionados com outras doenças infecciosas e não ser SIDA/AIDS. Um grande número de pessoas que ficaram infectadas com o VIH/HIV, confirmaram não terem sentido nenhum destes sintomas durante aquelo periodo de tempo.
Qualquer pessoa infectada, mesmo sem ou com sintomas, pode infectar outra pessoa, praticando sexo anal e ou vaginal sem preservativo/camisinha(condom), e/ou partilhando seringas.


Periodo assintomático:
Depois da infecção inicial do VIH/HIV os sintomas desaparecem por muitos anos. O VIH/HIV está activo e reproduzindo-se no sistema imunológico da pessoa, nas glândulas e através da corrente sanguínea. Nesta altura, a carga viral (carga virótica) pode subir ao máximo no início e depois baixar ao nível minimo de uma pessoa infectada com o VIH/HIV. Não importa quais sejam os sintomas, ou mesmo sem sintomas, a pessoa pode infectar outras, se tiver sexo (relacções sexuais) sem preservativo (camisinha/condom), e/ou se partilhar seringas com outras pessoas.

Periodo sintomático:
Depois de muitos anos, após as pessoas terem contraído o VIH/HIV, elas principiam a sentir alguns problemas de saúde como infeçcões oportunístas e outras tais como:
    • Sapinho crónico dentro da boca, vagina e intestino (fungos). Isto é um tipo de candidíase/vaginite, que pode crescer/aumentar e causar a problemas nas pessoas que vivem com o VIH/HIV.
    • Bolhas na boca causadas (cold sores) pelos herpes, e na area genital;
    • Febre continua e suores demasiados durante a noite, ao ponto de ter que mudar os lençois;
    • Infecções regulares de natureza respiratória tais como a bronquite;
    • Diarréia constante (diarréia pode causar desidratação). Se a diarréia continuar por mais de três dias a pessoa deve ir ao médico imediatamente;
    • Perda de peso significante (mais de 20%) num periodo curto de tempo.

As doenças acima mencionadas não são exclusivas, ou sómente encontradas nas pessoas que tem o VHI/HIV. Existem outras doenças que são mais específicas e fáceis de serem associadas com oVIH/SIDA (HIV AIDS). Eis algumas delas:
    • A pneunomia Carinii (PCP), é uma infecção que pode causar a morte. Actualmente, a PCP não acontece em grande números como anteriormente e isto deve-se á descoberta de melhores tratamentos, métodos e descobertas de produtos farmacêuticos;
    • Mycobacterium Avium Complex (MAC) é uma doença causada por uma bactéria, a qual vive na àgua, na terra e em excrementos (fézes) de pássaros e/ou àves. Esta bactéria causa perda de peso, e pode ser contraída através da comida, bebida e respiração.
    • Cytomegalovirus (CMV) é o vírus da herpes o qual pode causar doenças sérias, incluindo a retinite (inflamação na retina da vista), causando assim a perda total da vista (visão). A pneumonia, colitis (inflamação intestinal) e a ençafalite (inflamação no cérebro) acontece em pessoas com um sistema imunológico muito fraco e comprometido;
    • Tuberculose (TB) é uma infecção que pode ser fatal e é causada pelo Mycobacterium Tuberculosis. A tuberculose afecta os pulmões, mas também pode atacar outros orgãos do nosso corpo;
    • A Toxoplamosis é uma infecção causada pelo protozoário Toxoplasma gondii, o qual é muito comum em excrementos (fezes) de gatos e em carne mal cozida. Eis alguns dos sintomas desta doença: febre, confusão, dores de cabeça, tremuras, desorientação, mundanças em personalidade e vertigens.
    • Cryptosporidiosis é uma doença causada pelo protozoário Cryptosporidium parvum, uma bactéria a qual é transmitida das seguintes formas: pelo contacto com excrementos (fezes) de animais; àgua e comida contaminada, e o contacto com o ânus através do sexo oral anal (rimming). Cryptosporidiosis também causa perda de peso, inchaço nas glãndulas linfáticas (ínguas) e diarréia crônica.

Actualmente, muitas das infecções oportunistas podem ser tratadas e/ou evitadas com successo. Tratamentos nesta área tem contribuido para uma vida melhor e mais prolongada das pessoas que vivem com VIH/SIDA (HIV AIDS). Nehnuma destas infecções acima mencionadas indica ou confirma que a pessoa tem SIDA/AIDS. Isto quer dizer apenas, que as pessoas são VIH/HIV positivas, e/ou estão a sentir problemas de saúde devido ao sistema imunológico estar compromotido (afectado) por este vírus.
O periodo que leva entre o momento que a pessoa contrai o vírus até ao ponto que os primeiros problemas de saúde aparecem depende do estilo de vida e estado de saúde geral da pessoa, por exemplo, caso a pessoa beba demasiadamente, fume, use drogras, não se alimente bem ou não durma suficiente.
A falta de certas medidas sanitárias podem causar também problemas de saúde às pessoas que vivem com o VHI/HIV. Se a pessoa limpar aquários, mexer em excrementos (fezes) de gatos ou cães frequentemente, pode aumentar a possibilidade de ficar infectada com uma destas infecções.

Também é importante notar, que existe uma variedade de infecções as quais afectam mulheres, homens e crianças pelo facto deles serem VIH/HIV positivos. Nas mulheres, as infecções vaginais (corrimento vaginal) (candidíase/vaginite), são muito comuns e as quais muitas vezes não respondem bem aos tratamentos. As mulheres também sofrem mais variedades e diferentes infecções respiratórias do que os homens. Notou-se também um aumento no número de cancro do cérvix (colo útero). Este tipo de cancro é também associado com a infecção do VHI/HIV.

Na cidade de Toronto, em 2004, registou-se um aumento nos números de casos de sífilis entre homens homosexuais/gays. Esta relação entre a sífilis e o VIH/HIV foi uma situação alarmante visto que um 1/3 de infecções de sífilis foram entre homens VIH/HIV positivos. Também as pessoas que usam drogas correm mais risco de apanhar a tuberculose e perda demasiada de peso.

Existe prova que nas pessoas idosas, as infecções relacionadas com a SIDA/AIDS se intensíficam mais em comparação nas pessoas dos quarentas anos de idade. Mais uma vez queremos enfatizar a importância de procurar assistência médica o mais breve possível, para que estas situações não aconteçam consigo. Esperar até ao ponto em que a pessoa tenha estes primeiros problemas de saúde, é como esperar para que o VIH/HIV destrua o sistema imunológico da pessoa.